quarta-feira, 6 de setembro de 2017

GLOBALIZAÇÃO E O MEIO AMBIENTE



Durante o conteúdo desenvolvido em sala de aula, os alunos aprenderam alguns problemas ambientais decorrentes da globalização, como os “Os tipos de poluição”, foi discutido maneiras viável de desenvolvimento sustentável, do uso consciente de água potável, abordamos o problema do efeito estufa para o meio ambiente e de que modo tal mal pode ser combatido, as origens do emprego de energia eólica para a geração de eletricidade.

O grande desafio que está colocado a nós é justamente este: criar uma forma, uma maneira de intervenção, através da qual a temática ambiental esteja presente em todas as disciplinas. E que vá mais longe, seja parte integrante de nosso fazer pedagógico cotidiano, independentemente da área em que atuamos, bem como do nível de ensino.
Os alunos dos 8º anos desenvolveram atividades referente ao conteúdo nas aula de Geografia. 



















sexta-feira, 1 de setembro de 2017

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL




Revolução Industrial foi um processo de grandes transformações econômico-sociais que começou na Inglaterra no século XVIII e se espalhou por grande parte do hemisfério norte durante todo o século XIX e início do século XX. Passagem da manufatura à indústria mecânica. A introdução de máquinas fabris multiplica o rendimento do trabalho e aumenta a produção global. Ela também foi um processo histórico de radical transformação econômica e social.

Os alunos do 2º ano do Ensino Médio, deram asas a sua imaginação  realizando painéis para representar o que aprenderam sobre a conteúdo " Revolução Industria".  
















REVOLUÇÃO RUSSA




Atividade realizada com o 3º ano do Ensino Médio 

Trazer para os alunos uma reflexão. 

Revolução RussaCom a deflagração da Primeira Guerra Mundial e a crise econômica e social que a Rússia vinha enfrentando há anos, a população “intelectualizada” decide se reunir para fazer uma revolução marxista. Lenin é um dos principais lideres e aquele que se tornará chefe supremo após a abdicação do trono por parte do czar Nicolau II. Este último e toda sua família são fuzilados, para que não acontecesse o que ocorreu na França após o fim da Revolução francesa e da era napoleônica, onde a família do rei deposto Luís XVI reassume o trono. 
A situação da Rússia era péssima, a miséria e a fome predominavam. No início de 1917, a Rússia se encontrava em pleno caos. A população então organiza manifestações e os soldados que foram mandados para reprimir as mesmas acabam aderindo à revolta. 
Eles não mais aceitam a miséria em que se encontram e nem as mortes por causa da guerra em que estão inseridos. 
Sendo assim, Lenin decide sair da guerra pagando uma alta soma aos alemães. Surge então a ditadura do proletariado, onde os inimigos políticos são perseguidos e mortos por suas ideias contra o comunismo ou contra o governo vigente. 
A ditadura deixa de ser do proletariado para ser contra o proletariado. Metodologia: Será explicado aos alunos como a Revolução aconteceu e o “por que” dela ter acontecido. 









domingo, 20 de agosto de 2017

JORNAL FALADO SOBRE OS TRÊS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA



JORNAL FALADO
ATIVIDADE  REALIZADA PELOS
  ALUNOS DO ENSINO MÉDIO 
TEMA:  OS  TEÓRICOS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA 

ROTEIRO 


ABERTURA: Abrange os assuntos que são apresentados no Jornal: Pensamento sociológico, que engloba os seguintes assuntos: Karl Marx e o materialismo histórico, as oposições entre Durkheim e Max Weber, síntese da Guerra Fria, Revolução Industrial e Revolução Francesa, religiosidade e aspectos políticos e econômicos atuais.
(VINHETA)
1ª PARTE: A primeira parte aborda as referências históricas para situar o pensamento sociológico e algumas características dessas referências; Revolução Francesa e Revolução Industrial.
(1º COMERCIAL)
2ª PARTE: A segunda parte apresenta uma breve abordagem sobre cada um dos três sociólogos; Émille Durkheim, Max Weber e Karl Marx.
(VÍDEO IMPROVISADO DO POSSÍVEL CONFRONTO ENTRE DURKHEIM E MAX WEBER)
3ª PARTE: A terceira parte tem como conteúdo a meteorologia, que mostra uma apresentação inventada por nós sobre o tempo.
(2º COMERCIAL)
4ª PARTE: Na quarta parte há uma apresentação bem mais aprofundada sobre os três sociólogos e suas respectivas obras (algumas).
Nessa parte há também uma das entrevistas com a professora Neivane Grava sobre os problemas políticos e econômicos do Brasil (que deveria ter sido feita pelo Ademar, porém foi feita pelo Igor).
(3º COMERCIAL)
5ª PARTE: Contém outra entrevista, porém com um “frei improvisado (Igor)” e feita pela Luiza que fala sobre as teorias em que o mesmo se aprofundou quando estava estudando para ser frei.

Contém também nessa parte a designação da Guerra Fria, que serve como um complemento para terminar o Jorn










quarta-feira, 12 de abril de 2017



PROJETO: VOTO E CIDADANIA

Este projeto visa ampliar e conscientizar os nossos alunos da importância de se tornarem cidadãos críticos, mas principalmente atuantes na sociedade em que vivem. Para que os jovens possam exercer de forma consciente o seu papel de cidadão através do voto os mesmos devem estar cientes dos acontecimentos políticos nas localidades em que vivem e compreender, principalmente, que a construção de uma sociedade mais justa e democrática não é dever apenas do poder público, mas deve ser uma construção de todos, em conjunto.
Nesta perspectiva, a interação dos alunos com a sociedade só poderá ajudá-lo na sua formação ética, enquanto pessoa, e fazê-lo perceber a sua importância na vida do outro, a sua responsabilidade diante do mundo e seus direitos e deveres enquanto cidadão. A educação cidadão só tem sentido como comprovação e prática de conhecimentos que levam à ação. É imprescindível, formarmos cidadãos conscientes do seu papel na sociedade e comprometidos com a transformação de nosso país em um lugar em que possamos viver. Aprender a provocar conhecimentos para fazer intervenções solidárias na realidade é um direito dos nossos alunos. Respeitá-los como cidadãos é franquear a eles a porta do universo cognitivo e afetivo: o conhecimento significativo. 
Segundo Paulo Freire, “educar é um ato político”. Para ele a escola deve ter isto claro nesse projeto pedagógico e os alunos, professores e funcionários devem praticá-lo diariamente. Isto não significa que a escola deve assumir candidaturas eleitorais como suas, mas é preciso suscitar, entre os alunos o debate, o confronto de ideias, a participação, com coerência e muita disciplina, sem partidarismo e com responsabilidade. O voto é o símbolo da participação cidadã. Nós educadores, temos um papel importante neste processo, pois temos a obrigação de orientar nossos alunos sobre a importância do direito tão arduamente conquistado, o voto, e esclarecê-lo sobre a responsabilidade da escolha consciente.


A IMPORTÂNCIA DO TURISMO PARA O MUNICÍPIO DE RODEIO.



Turismo em Rodeio

Hoje o Turismo Cultural é uma realidade para muitos municípios que buscam desenvolver-se de forma sustentável e agregar mais valor a sua cidade. Ao valorizar as manifestações culturais, folclóricas, artesanais e a arquitetura da cidade o Turismo Cultural melhora a autoestima da população local. Mas, para tornar-se realmente atrativo aos visitantes o Turismo deve envolver a comunidade em torno deste objetivo, não só pela possibilidade do desenvolvimento da economia local com a entrada de divisas, mas principalmente visando o aproveitamento do Turismo como propulsor do espírito comunitário e da melhoria na qualidade de vida da população. A chave para esta premissa está em estabelecer um planejamento com definição de objetivos, conteúdos, gestão e formas de promoção, buscando-se integrar a comunidade aos circuitos do Turismo Cultural aproveitando a História local que em outras palavras é o resultado da ação do homem em seu meio, gerando o que denominamos de patrimônio.

O turismo é uma das formas das quais dispomos para revitalizar economicamente o patrimônio histórico, uma vez que, constitui-se um produto autêntico da cultura local. Segundo Margarita Barreto, o turismo é o “motor fundamental para desenvolver o processo de identificação do cidadão com a sua história e sua cultura”.  O resultado é um Turismo Cultural sólido, onde toda a população é coadjutora e conhecedora da bagagem cultural característica da localidade. Assim, tornam-se membros e responsáveis diretos pela infraestrutura, pelo acolhimento dado aos turistas e se beneficiam também, junto com a administração pública, do sucesso do empreendimento que se apresenta aos turistas com um diferencial entre produtos turísticos similares.  O projeto Turismo na cidade de Rodeio desenvolvido junto aos alunos da Escola de Educação Básica “Osvaldo Cruz”, cidade de Rodeio SC, tem como vital importância à proximidade dos alunos com a sua identidade através do resgate da história do município, forte influência dos imigrantes na formação dos costumes como folclore, arquitetura e gastronomia; vocação para o turismo rural e cultural e por possuir um potencial turístico principalmente no setor religioso e na cultura italiana. Aspectos esses que contribuem para o desenvolvimento do turismo nesse município. Todavia, nossos alunos partem do princípio da contextualização da história sobre o município. 

Construções Históricas Italianas




Igreja Matriz

Eremitério

Monumento do Cristo

Museu dos Trentinos de Rodeio



O município de Rodeio, com 135 km2 de superfície, situa-se nas terras da Serra do Mar, a 88m acima do nível do mar, à margem esquerda do Médio-Vale do rio ltajaí. Possui hoje a população de 7.900 habitantes. Integra as regiões catarinenses colonizadas por imigrantes europeus advindos em meados do século XIX.
As famílias eram provenientes de Trento, no Tirol austríaco, região do Norte da Península Itálica, mas que só lhe passou a pertencer após a Primeira Guerra Mundial (1914-18). Causas econômicas e políticas tornaram difícil a vida desses pequenos proprietários em sua terra natal, artesãos, operários e trabalhadores deserdados, vendo-se, por isso, obrigados a emigrar.
No contexto de busca de sobrevivência, surge na Europa a política de exportação de mão de obra. Grandes companhias de navegação negociam o excedente humano com os governos interessados em importar imigrantes. O comércio de mão de obra tornou-se lucrativo. Ao aceno com uma viagem gratuita, bem como com outras promessas de fartura de trabalho e de dinheiro nas terras além dos Alpes, os austríacos decidiram-se a partir. As companhias tratavam com os governos estrangeiros da partida de determinado contingente de emigrantes contra o pagamento da importância da viagem. Daí a caça desenfreada e as ofertas mirabolantes feitas a quem se dispusesse a partir.
Os italianos que aqui chegaram vieram através do Contrato Caetano Pinto, feito com o governo brasileiro. Por esse contrato havia o compromisso de um praza de 10 anos, trazer ao Brasil, 100.000 imigrantes. As famílias dos primeiros colonos pertenciam a um grupo social compacto, muitos dos quais provinham da mesma região. Não mantinham nenhuma ligação com o governo italiano, pois não pertenciam à Itália. Formaram aqui um grupo sob a jurisdição do Dr. Blumenau. Uma carta que o mesmo envia à Áustria, falando dos colonos austríacos, revela bem o seu grau de repugnância para com esses italianos que estão descontentes com a situação que encontram e exigem providências.
A maior parte começa por colonizar e por pagar as terras que haviam recebido do Governo Imperial. A partir da segunda geração, novas terras vão sendo colonizadas por filhos de imigrantes. Assim nasceram Taió, Bom Sucesso, Dr. Pedrinho, Laurentino, Pouso Redondo, Rio do Oeste, Agronômica e outras cidades de Santa Catarina.





5- Religião e Escola

Rodeio não pode ser pensado sem referência à religião católica, assim como as populações dos municípios catarinenses, formada pela imigração europeia, tem nas suas tradições forte vínculo com as Igrejas. As tradições foram sempre firmemente mantidas no município onde e população é l00% católica. A religião constitui-se num elemento integrador da vida comunitária, envolvendo a vida cotidiana da população. O mundo religioso era o horizonte cultural de vida do camponês e de toda a família. Nas lembranças da população de Rodeio a submissão e a obediência ás orientações do padre no âmbito geral de família, da consciência e da moral foi ponto decisivo e fundamental. Os italianos que chegaram a Rodeio traziam consigo tradição de 700 anos de submissão a uma autoridade religiosa e civil.
Ao lado da Igreja esteve sempre a Escola, que se confundia com a própria organização religiosa. Em todas as diferentes comunidades, onde os imigrantes se instalavam, ergueu-se imediatamente a escola. Na lembrança dos colonos há uma identidade entre os préstimos religiosos e a instrução nas escolas. O binômio Igreja e Escola transplantam-se e revive aqui, com tradição cheia de rigorismo, que reforça a estrutura familiar tradicional, dando ênfase à família numerosa e à subordinação à autoridade e ao poder paterno ou marital nas decisões sobre a propriedade e a vida em família. A apologia do trabalho pertence também a este universo cultural. A escola permanece até 1942 sob a orientação da Igreja, quando se cria, nesse ano, o Grupo Escolar Osvaldo Cruz, na sede do município, pelo Governo Estadual. Em 1962 cria-se o Curso Normal Madre Avosani e, em 1967, por iniciativa de uma equipe do próprio município, funda-se o Colégio Comercial Aldo Locatelli. Em 1975, este colégio conta 225 alunos no curso de Contabilidade e representa uma abertura em termos de preparação de pessoal para o mercado de trabalho em escritórios e, mesmo, para a continuação de estudos em Universidades.

  O projeto visa colocar em prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula, que além de complementar a bagagem teórica dos alunos proporciona uma grande experiência prática no desenvolvimento da atividade turística através do contato dos mesmos com a comunidade. Percepção das necessidades e anseios dessa comunidade em relação ao turismo, não só como importante fator de crescimento econômico, como também de resgate social e fortalecimento cultural do patrimônio e identidade de uma região e sua população. 






terça-feira, 11 de abril de 2017

MUNDO GLOBAL: GEOPOLÍTICA E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS



ARTE E HUMOR A SERVIÇO DA REFLEXÃO



   Pode-se dizer que a charge é uma forma criativa e irreverente de retratar a realidade. A charge é mais do que um simples desenho, é crítica político-social. Graficamente, o artista expressa sua visão sobre determinadas situações cotidianas por meio do humor e da sátira. Ela é uma forma de ilustração que permite abranger o entendimento dos conteúdos relacionados com a Geografia, proporcionando o entrosamento compreensivo na relação ensino e aprendizagem, influenciada pela análise questionadora e, ainda, pelo interesse demonstrado por grande parte dos estudantes.

Os alunos dos 9º anos foram convidados a "dar asas a sua imaginação":  produzindo charge sobre temas estudados e utilizarem textos curtos, usando a criatividade para se manifestar por meio de personagens.